Robalo

Dicentrarchus labrax

    • Mar Mediterrâneo e resto da Europa
      Aquacultura em Jaulas
    • Mar Mediterrâneo e resto da Europa
      Linha e Anzol
    • Atlântico Nordeste (FAO 27), Atlântico Este Central (FAO 34) e Mar Mediterrâneo (FAO 37)
      Xávega, Arrasto de Vara, Arrasto em Parelha Pelágico, Arrasto de Portas Pelágico, Palangre Pelágico e Redes de Emalhar, de Tresmalho e de Cerco

    Biologia

    O Robalo europeu cresce até 1m de comprimento e chaga a pesar 12 kg. Os juvenis vivem em cardumes, mas com a idade perdem a sua sociabilidade. O Robalo é um predador nocturno e caça moluscos, crustáceos e peixes.

    Pesca Comercial

    Situação das populações
    Não há avaliação para a maioria das populações. A população do Atlântico Norte Ocidental tem diminuído nos últimos anos porque a pesca tem sido muito intensa não dando oportunidade para a sua recuperação.

    Efeitos Ecológicos

    O Robalo é capturado por pescarias mistas com redes de arrasto de fundo que capturam muitas espécies acessórias (sem valor comercial) que acabam por ser devolvidas ao mar. Muitas espécies de tubarões e raias, mamíferos marinhos, tartarugas e aves marinhas também são involuntariamente apanhadas por esta arte de pesca que também destrói o fundo do mar.  As redes de emalhar de fundo não têm efeitos negativos sobre os habitats de fundo, mas ainda podem ser armadilhas para muitas aves e mamíferos marinhos

    Gestão

    A pesca do Robalo é regulamentada pela UE através da definição de tamanhos de captura e de malha, bem como por uma proibição da pesca de arrasto durante os períodos da desova nas áreas onde esta acontece. No entanto, não há quotas para a espécie e a pressão da pesca é ainda demasiado elevada. A gestão é apenas parcialmente eficaz. No Atlântico Oriental e no Mediterrâneo esta pescaria não é regulamentada.

    Aquacultura

    Alimentos / consumo de energia
    O Robalo é uma das espécies aquícolas mais importantes do Mediterrâneo. A sua criação faz-se em jaulas. O Robalo é um peixe carnívoro e consome cerca de 3 a 5 kg de peixes selvagens capturados para 1 Kg de peso corporal que é produzido. Infelizmente, sua a alimentação (farinha de peixe e óleo) não tem uma origem sustentável e a produção desta ração tem impactos negativos em populações de peixes selvagens. Para a aquicultura de Robalo orgânico, a alimentação é produzida de forma sustentável e a densidade das populações é muito mais baixa do que nos sistemas convencionais.

    Impactos Ecológicos

    O cultivo em jaulas tem muitos impactos ambientais negativos. Devido à elevada densidade de indivíduos, as doenças podem espalhar-se a toda a população também de peixes selvagens. E para combater o elevado risco de propagação de doenças e parasitas, são adicionados nutrientes em grande escala, produtos químicos e antibióticos, afetando também as populações selvagens. No cultivo orgânico, é proibida a adição de hormonas e medicamentos.

    Gestão

    Na maioria dos países existe uma regulamentação para redução dos impactos ambientais da aquicultura. No entanto, existe uma grande lacuna na forma de avaliar a implementação, eficácia e controlo dessas ações. Na produção Bio-certificadas, a adesão restrita a medidas de proteção ambiental é prescrita, e os controles são bons.

    Certificação

    O Bio-certificação significa piscicultura ambientalmente responsável. A alimentação provém de resíduos da indústria alimentar de peixes, a fim de proteger as populações selvagens. Devido aos regulamentos para a protecção da água e do ambiente, os produtos químicos e medicamentos são utilizadas apenas quando necessários. De acordo com o GlobalGAP, a certificação requer a minimização do impacto negativo sobre o meio ambiente, o que nem sempre é viável na produção em gaiolas. A GlobalGAP é passível de ser reconhecida, pelo consumidor, através do número GGN na parte de trás da embalagem. Em termos globais, as instalações com certificação GAP devem reduzir a absorção de nutrientes, para garantir que os predadores naturais não sofram impactos negativos, devendo manter o risco de fuga muito baixo e assegurar métodos de abate respeitosos para com o peixe.

    Global GAP

    Pin It on Pinterest

    Share This